quinta-feira, 20 de abril de 2017

(A)PROVA(S)


És o meu maior desafio
Quesito inacabado
Matéria de extremo peso
Palíndromo versificado
Minha mais dura PROVA
É te amar, isso é fato!
Pertinente, arredio, inconsequente
És a hora desmarcada
O dia enluarado
A noite ensolarada
Um eu-lírico traiçoeiro
Tudo que a razão desa(prova)
Me colocando em constante PROVA.
À PROVA da tua degustação
Desrespeitando meu sim e meu não
Deixando sem ação minha estrutura emocional
Tal qual num texto um ponto final.
A loucura vem e em mim faz morada
Como se eu fosse uma mera desqualificada
A rotina foge à retina
Quando você se aproxima
Camisa de força não me segura
Não paro nem sob tortura
Ou requintes de crueldade
Não me importa a imposta maldade
Fujo de qualquer realidade
E uma dúvida me apavora:
"Será que queres uma santa
Ou desse jeito insano tu me (A)PROVA(S)?".


(Sylvia Beltrão)

sábado, 11 de março de 2017

ESPELHO

Durante uma aula de literatura, falei para meus alunos que não faço o uso da "inspiração" na hora de escrever meus poemas, utilizo a motivação e o domínio da técnica.
Imediatamente, uma aplicada aluna resolveu me testar e lançou o seguinte desafio:
- Então, faça um poema agora!
- Faço!
- Mas tem que ter um título escolhido por nós!
- Fechado!
Depois de muito pensarem, me deram: "Espelho". À base do improviso, saiu isto:



ESPELHO

Vejo que alunos me desafiam
A escrever sobre um espelho
E é por esse vidro que vejo
As pessoas que em mim confiam.

De um lado, mainha
Na moldura os críticos
Mas eles me chamaram de rainha
E é com esse elogio que eu fico.

Foi desse pedaço de vidro
Que saiu o meu reinado
Mostrei aos alunos o que mais faço
Através dos meus versos espelhados.



(Barreiros, março de 2016).
OBS: Fui aplaudida! Rsrs

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

AMANHÃ


Amanhã pode ser que eu detone
Hoje não!
Estou fraca demais pra jogar a granada
Ela poderá explodir em mim.

Amanhã talvez eu chore
Hoje não!
Eu já implodi por hoje
Meu estoque lacrimal está em crise
Secaram num prévio sarau.

Amanhã talvez eu vá à praia 
Hoje não! 
Já não há em mim Sol à vista
Nessa noite interna tão fria.

Amanhã talvez eu te esqueça
Hoje não!
Porque a minha ira por ti
Não me deixa te esquecer.

Mas falta pouco tempo
Para o amanhã chegar:
Fração de minutos!
Isso é só um aviso para você
Meu amor de hoje,
De ontem
E provavelmente de vidas passadas
Mas possivelmente não mais de...
...amanhã.

Porque o teu hoje me deixou claro
Que teu amanhã não me pertence
Já que não vives nele.
Até hoje apenas! Adeus!